Páginas

15 dezembro 2011

Gerencie suas emoções



Deixando-se levar pelo frenesi mundano, trabalhando cada dia mais e descansando cada vez menos; cumprindo metas desproporcionais; passando mais tempo dentro de seus carros, nos ônibus hiperlotados do que dentro de sua própria casa; bebendo, fumando e tomando remédios demais; assistindo programas vazios e “terroristas”; competindo em casa, no trânsito, no supermercado; eis que o ser humano já não é mais capaz de controlar e gerenciar suas emoções.
O que mais vemos são pessoas vivendo seus “dias de fúria”, periódica e continuadamente.
Muitas pessoas acreditam que estão infelizes porque sua vida é uma porcaria, ganham pouco e não são valorizadas, tem relacionamentos ruins. Mas isso não é infelicidade. É decorrência de seus sentimentos estarem confusos, as emoções à flor da pele. As idéias ambíguas estraçalham sua mente. Resultado, em grande parte, de uma má digestão das raivas e mágoas acumuladas; fracassos e insucessos que não foram elaborados, resignificados e superados. Agora são fantasmas a aterrorizar sua vida.
Em nossa agenda diária deve constar a prática de digerir os problemas e frustrações. Impossível passar pela vida feito um “super-homem” ou uma “super-mulher” imune a tudo, intocável, impenetrável e diariamente feliz, com a vida produzindo tudo que idealizamos.
Prá ser feliz não podemos – e não é possível - fugir das nossas dores emocionais. Não funciona deslocar, transferir e muito menos projetar, pois os problemas estão ali, guardadinhos em nosso porãozinho mental. Precisamos tomar o controle e a direção dos sentimentos. Fazer uma faxina mental, jogando fora as páginas amareladas de ontem. Elas devem ser digeridas, elaboradas. Não dá prá ser feliz com um cemitério na cabeça.
Não é porque deixamos o problema – ou vários deles – para trás, que ele foi resolvido. Ele continua ali como um espectro a atormentar nossos sonhos e angustiar nossos relacionamentos. Cedo ou tarde o porãozinho fica cheio e lá estaremos (ou estamos) tendo nossos dias de fúria, doenças físicas, síndromes, fobias, depressões...
Tenha coragem! Enfrente a situação, gerencie os sentimentos e emoções envolvidas, tendo em vista serem as únicas coisas que realmente temos o controle. Mais nada!
Então, enfrente medo e encare os conflitos! Livre-se do velho! Reeduque os sentimentos. Ninguém pode te ferir ou magoar a não ser que você queira – e saber o porquê disso, assim como o porquê fazemos esta ou aquela escolha é fundamental para a nossa felicidade.
Se precisar busque ajuda. Sentimentos como ciúmes, inveja, raiva, remorso, mágoas, rancores, ressentimentos, insegurança, e a baixa tolerância a frustrações – conscientes ou inconscientes – geram altas cargas emocionais que descontrolam a nossa psique e nosso corpo. Dá prá entender porque de tantas doenças psíquicas assolando nossa sociedade? Fortaleça-se!

Forte Abraço!

Adilson Costa
ANEP 1133
Psicanálise & Terapia
adilsonncosta@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário